Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Lula, o palestrante de luxo dos banqueiros e das multinacionais

Escrito por Frei Marcos Sassatelli   
17-Mai-2011
 
No discurso da primeira convenção nacional do PT, em 1981, Lula afirmava que o partido então criado era "uma inovação histórica" e vinha para livrar a classe trabalhadora da condição de "massa de manobra dos políticos da burguesia". Dizia que o sindicato é a ferramenta adequada para melhorar as relações entre o capital e o trabalho, mas que o partido existe para ir além: "Queremos que os trabalhadores sejam os donos dos meios de produção e dos frutos de seu trabalho". Afirmava que "o mundo caminha para o socialismo" e que o PT, com sua mística radical, não tinha como objetivo "buscar paliativos para as desigualdades do capitalismo" (Cf. Leo Lince. Lula, a metamorfose que ambula, 14/04/11 – http://www.correiocidadania.com.br/). Lula, quem te viu e quem te vê!
 
Em fevereiro, escrevi um artigo com o título "Lula, um ex-operário deslumbrado pelo poder" (Cf. Diário da Manhã, Opinião Pública, 07/02/11, p. 18). Hoje acrescento que Lula é também um ex-presidente - ex-sindicalista e ex-operário - obcecado pela fama. Como o ex-presidente Lula pode ser tão oportunista e renegar sua própria história; como pode ser tão ambicioso e tão ganancioso, até o ponto de - como palestrante de luxo a serviço dos interesses dos banqueiros e das multinacionais - vender sua própria dignidade humana, traindo seus ex-companheiros? É realmente um comportamento repugnante e totalmente antiético.
 
Vejam só que absurdo: Lula, o novo empresário e o novo rico, tornou-se o palestrante mais caro do Brasil. Segundo noticiou a imprensa, o ex-presidente cobra por uma palestra cachê que vai de R$ 200 mil a cerca de R$ 790 mil (por enquanto!). Em março, a multinacional LG foi a primeira a contratar o Lula para uma palestra no Brasil, com cachê de R$ 200 mil. A multinacional Telefônica convidou o Lula para uma palestra em Londres, com cachê de cerca US$ 300 mil. Lula foi também a Washington, a convite da Microsoft, e a Acapulco, a convite da Associação dos Bancos do México. No dia 4 de maio, em palestra em São Paulo, a convite do Bank of América Merril Lynch.
 
Reparem: quando Lula vai ao exterior, viaja quase sempre em jatinho particular. Como custa caro o ex-operário, ex-sindicalista e ex-presidente Lula! Parece o mais valioso mascote dos detentores do poder econômico mundial! É inacreditável que ainda existam pessoas dispostas a ouvir as baboseiras do Lula, falando de si mesmo (se auto-elogiando), dos feitos de seu governo e do aumento da presença (que tipo de presença?) do Brasil no cenário dos "donos" do mundo.
 
Sempre segundo notícias da imprensa, Lula aceitou também o convite da multinacional LG para fazer palestra na Coréia do Sul, com cachê de US$ 500 mil (cerca de R$ 790 mil). Se confirmado o evento na Coréia do Sul, em três ou quatro meses, a receita do Lula em moeda estrangeira chegará a US$ 1,2 milhão. Trata-se realmente de uma afronta aos trabalhadores (ex-companheiros de Lula) e de um pontapé na cara dos pobres. Trata-se de um dinheiro que é fruto da exploração dos trabalhadores pelas multinacionais e, portanto, de um roubo legalizado. O pior é que Lula sabe disso.
 
A assessoria de Lula não confirma o valor do cachê das palestras do ex-presidente e Paulo Okamoto - sócio do novo empresário petista Lula na empresa LILS - diz cinicamente que "é segredo de Estado" (Cf. Folha de S. Paulo, 04/05/11, p. A9). Que desrespeito para com o povo, que vergonha!
 
Esses fatos são mais que suficientes para provar que Lula - como diz o sociólogo Leo Lince - é "a metamorfose que ambula". Pessoalmente acho que, desde a campanha para o primeiro mandato de presidente da República, quando quis ganhar as eleições a qualquer custo e com qualquer meio, Lula traiu os trabalhadores, seus ex-companheiros, aliou-se aos detentores do poder econômico mundial e usou sua popularidade (melhor seria dizer, seu populismo) a serviço dos interesses deles.
 
Permito-me sonhar! Como seria diferente se Lula, em suas palestras, fosse aliado e porta-voz dos trabalhadores, denunciando a exploração das multinacionais e dos banqueiros (que, diga-se de passagem, no governo Lula tiveram o maior lucro já conseguido até o presente), as estruturas de injustiça e a iniqüidade do atual sistema econômico mundial. Nesse caso, seriam os movimentos populares e os sindicatos autênticos dos trabalhadores a convidar Lula para proferir palestras, e não os banqueiros e as multinacionais. Lula não ganharia cachês milionários, mas ganharia um cachê muito mais valioso que seria a felicidade de servir gratuitamente. Nada vale mais que a felicidade e a alegria da missão cumprida.
 
Em todo esse contexto, é mais do que oportuna a advertência do apóstolo Tiago, também para os novos ricos como Lula: "E agora vocês, ricos: comecem a chorar e gritar por causa das desgraças que estão para cair sobre vocês. Suas riquezas estão podres, suas roupas estão roídas pela traça; o ouro e a prata de vocês estão enferrujados; e a ferrugem deles será testemunha contra vocês, e como fogo lhes devorará a carne. Vocês amontoaram tesouros para o fim dos tempos. Vejam o salário dos trabalhadores que fizeram a colheita nos campos de vocês: retido por vocês, esse salário clama, e os protestos dos cortadores chegaram aos ouvidos do Senhor dos exércitos" (Tg 5, 1-4).
 
Lembremos: não são os milhões de dólares que fazem o ser humano feliz e realizado!
 
Frei Marcos Sassatelli, Frade Dominicano, doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP) e membro da Comissão Dominicana Justiça e Paz do Brasil / PUC-GO, Vigário Episcopal do Vicariato Oeste da Arquidiocese de Goiânia e administrador paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Terra.

Copiei daqui: http://www.correiocidadania.com.br/content/view/5838/9/

Um comentário:

  1. Ora, esse frei cobra dízimo?
    Ele faz críticas á pedofilia exercida pelos sacerdotes?

    ResponderExcluir

Follow by Email