Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Sobre a Inspeção Veicular na Cidade de São Paulo
Eis os relatos colhidos no blog do Nassif, http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif


Um caso de agressão dentro da Controlar


Autor: 
Prezado NASSIF,
Agora, mais descansado redigi algo mais completo e esclarecedor. Solicito a esse jornalista que, se possível, faça um POST em "horário nobre". O caso é grave e s causa não é só minha. É de todos os deficientes e idosos e, ainda, daqueles que vem sendo lubridiados por essa inspeção, confome fica claramente demonstrado abaixo,
INSPEÇÃO VEICULAR - CRIME CONTRA A ECONOMIA POPULAR?
FÁBRICAS DIMINUEM LIMITES A PERCENTUAIS E NÍVEIS INATINGÍVEIS COM OS CATALIZADORES DE SÉRIE E, A SUBMISSA "CONTROLAR", COM EQUIPAMENTOS QUE PRODUZEM RESULTADOS DIFERENTES, "SOLTA A GUILHOTINA !
EATARIAM "COLABORANDO" PARA AUMENTAR O LUCRO DAS CONCESSSIONÁRIAS ?
Além do carro ter sido reprovado pela segunda vez, mas, estranhamente, dentro dos Limites que o aprovaram "COM SOBRAS" no ano de 2009, fui BRUTALMENTE AGREDIDO por um funcionário de forte musculatura e soco cruel, com cerca DE 25 ANOS, que com as as calças e as mãos imundas, insistia que só ele poderia deslocar o carro a mais cinco metros a frente (por que temem que olhemos o que dizem os equipamentos de medição) e "ouvi" algo do supervisor de plantão, que comprova a CORRUPÇÃO no "GRANDE NEGÓCIO DAS INPEÇÕES" !
Há uns quinze dias, os jormais noticiavam o "júbilo" da "CONTROLAR", em dizer que já tinham reprovado mais de 100.000 veículos. Com certeza, 80% deles de gente de poucas posses que desnecessariamente largaram fortunas nas mãos das Concessionárias: um crime contra a Economia Popular, que o Ministério Público deve averiguar.
Ademais, é o um gigantesco setor, gerador de Caixa 2, nas intemediações de carros usados, em nome de terceiros, onde o lucro apurado "desaparece'. Ou, "aparece em outro local", onde os proprietários são instruidos a procurar as "Concesionárias, quando reprovados na Inspeção. Com a palavra a SRF/MF.
Além de ter 64 anos e ser portador de deficiências físicas, e ter pendurado ao pescoço um ENORME AVISO, que cobria todo o meu peito, com os Símbolos Universais dos Portadores de Deficiências e Idosos, levei um soco no peito, exatamente sobre o "crachá tamanho família", encimado pelo Relatório do meu médico cardiologista. Um merginal a serviço da "CONTROLAR", que rapidamente "sumiu com ele" quando comecei a gritar pela Polícia e chamá-lo e covarde. Não revidei, embora pudesse. O Estúpido, abaixou as mãos com medo de quem o via. Sou frio o suficiente para não fazer besteiras.
O covarde agressor, "funcionário da CONTROLAR" de cerca de 25 anos, não foi seguro por ninguém, Só parou qunado comeceia gritar, Lá a solidariedade e a Lei não existe. Os funcionários brutamontes que me olhavam com cara de ódio, nada fizeram Fui agredido na frente de dezenas de cidadãos que, ali, àquela hora, estavam, fazendo a inspeção. Vou pedir aio Juiz que peça os nomes de todos os que ali estavam para servirem de testemunhas, assim como os vídeos das câmeras internas (se jã não sumiram com eles).
A agressão se deu às 12,20 hs. Dentro do recinto público da empresa CONTROLAR da Av. Engenheiro Billings, 2100 no Jaguaré, que em convênio com a Prefeitura faz as inspeções. Só cinco minutos após a agresão é que vieram as "fadas madrinhas" para me paparicar, porque gritei, de novo, pedindo a presença da Polícia para prender o agressor. Não ando com celular e com receio de uma covardia maior (quem sabe da própria polícia)e de ter outro AVC, pensei na família e consegui me acalmar.
Mas, outro grave motivo, gerou mais problemas quando mostrei a aprovação do ano anterior e a absurda e escandalosa mudança nos Limite para aprovação. Simplesmente o carro já havia sido reprovado, uma vez, mas, "dentro dos níveis que ano passado seria aprovado". E, mais uma vez, após passar pelas mãos de um mecânico de confiança de 30 anos de experiência (ex- preparador e mecânico expert em Alfas, Ferraris e Masseratis), foi reprovado. E, aí a conversa foi com o supervisor , que afastou outros trogloditas, que me okhavam feio (será que participam da caixinha e eu "rubei a brisa" ?
Não se preocupe Nassif, pode fazer um POST deste depoimente, Eu lhe paso a cópia de minha cédula de identidade e endereço, caso alguém queira me processar. Gosto de brigas grandes,principalmente com quem tem dinheiro para pagar grandes indenizações. É até melhor que eles se antecipem, eles gastam o dinheiro com a abertura do Processo e perdem muito mais, depois.
Mas, enfim, onde está a prova cabal dos "VÍCIOS DE ORIGEM" que levaram a reprovação do carro pela 2º vez. O índice da marcha lenta, na primeira vez que o veículo foi reprovado, dia 29/09, foi de 311 HCppm. Hoje, depois de impecavelmente revisado o índice subiu assustadramente para 409 HCppm, o que sugere uma irresponsável desrregulagem dos equipamentos. O mais curioso é que no ano passado o Limite era "700 HCppm" e, estranhamente, este ano REDUZIRAM/ALTERARAM para 200 HCppm, ÍNDICE PRATICAMENTE IMPOSÍVEL DE SE ATINGIR COM OS EQUIPAMENTOS DE SÉRIE/ FÁBRICA, que tem de ser respeitados. Senão, tem-se que colocar na prisão, todos os técnicos da FIAT, que no ano passado, ratificaram o índice de 700 HC PPM como correto.
Diferente disso, é uma forma sutil de aumentar o preço do veículo, 7 anos depois e gerar lucro para as concessionárias, que tem os equipamentos igual ao da CONTROLAR. "O mínimo" que se vai gastar (já me informei) nas Concessionárias, para prepararem o veículo "para passar", será de R$ 2.000,00.
Segundo o supervisor/gerente, que gentilmente (temeroso, claro, pela agressaão do seu funcionário, e vendo que não estava lidando com um idiota, me atendeu com muita educação e me confidenciou em "OFF": os índices foram alterados, substancialmente, para este ano, pela própria FIAT, sem nenhum motivo plausível. 700 HC ppm era mais do que aveitpavel. Para mim, diante dos "alterados "200 HC ppm" fica claro que as concessionárias estão faturando ilegal e criminosamente, fortunas, com o infortúnio dos menos favorecidos.
Mas, na FIAT (que meu dinheiro não vai levar, lá não entro), há meses atrás, sem outra opção, diante de um gotejar de água na direção do que parecia ser a bomba d'água, entrei em uma "Concessionária FIAT", já que, temeroso de o problema agravar se fosse até meu mecãnico, na Mooca. Porém, fui alertado, pelo técnico/recepcionista, que poderia fundir o motor, caso eu saisse com o carro, pois o problema párecia, ser mesmo, a bomba d'água. como constatou um mecânico "meia-boca (parecia um manobrista interno), "lá deixei o carro. ORÇAMENTO pelo telefone: R$ 2.800,00 (Bomba d'água, Pastilhas de Freio, rosquetas, parafusetas etc, etc, etc ...). Só que o carro nada acusava (dirijo há 45 anos).
Chocado com o valor, liguei para o meu velho mecânico lá na Mooca que, com uma única pergunta matou o problema. Perguntou-me, aoenas, se eu havia ouvido um ruído de rolamento quebrado. Disse-lhe que não.
Bem, disse-me ele: com certeza absoluta, era um "caninho que sai da bomba que furou" e que custava R$ 15,00 que pelo ano do carro, fura no 6º/7º ano (ele e a família tem 3 Fiats). Ia chamar o guincho do Seguro, mas, ele disse que não precisava. Que eu apenas levasse um litro de água (por precaução) e, caso fosse necessário, encostasse em um posto e acrescentasse água. Ele pediu para medir de vazava meio litro em meia hora; vzou 500ml. Não foi preciso colocar mais água; o vazamento era mínimo como ele sabiamente previu.
De fato além do "caninho" ele trocou as pastilhas dianteiras e não encontrou nenhum outro problema ou "parafusetas" com defeitos. Gastei, com ele, a fortuna de R$ 190,00.
FICA POIS, DESAFIADA a FIAT a dizer o porquê, de um ano para outro, sem prévio aviso, reduziu o fator de "HC ppm" de 700 para 200 (285,71% a menos). em um carro que o "CATALIZADOR DE FÁBRICA" e a "INJEÇÃO ELETRÔNICA DE FÁBRICA" dificilmente atingem este índice.
E FICA A "CONTROLAR", DESAFIADA a explicar o porquê da variação – para pior - "de um equipamento para outro", após o carro ter passado pelarevisão de um mecânico, super capacitado. e, informar o nome e o RG do funcionário que me agrediu. Só, fada própria CONTROLAR, uns 10 funcionários asistiram. Quando pedi que me respeitasse, falai alto e todos olharam. E levei o covarde soco de um marginal.
Para finalizar, vou analisar com meus advogados, as medidas judiciais a serem tomadas; quais sejam:
1) Com relação à CONTROLAR, os danos morais e materiais em função da agressão sofrida.
2) Com relação ao meu direito de ir e vir (já que sou portador de deficiências físicas e ficarei sem veículo para se locomover).
3) Com relação a estranha redução, pela FIAT do fator HC PPM em 285,71% de um ano para o outro, para o mesmíssimo veículo.
Nassif, os comprovantes já seguiram por e-mail. Desculpe-me se houver erros de digitação, mas, os meus dedos já perderam um pouco da "condicionamernto do pianista" 


Respostas:

"Minha solidariedade Fuhgedd, só li agora à noite.
Essa filial no Jaguaré é a mesma onde meu Fiat passou duas vezes. Fico agora preocupado com o ano que vem...
Bom, o fato é que isso de inspeção veicular não deveria ser terceirizado, trata-se de um monopólio natural e não há razão de onerar a sociedade com taxas de lucro da empresa prestadora de serviços.
O mesmo princípio deveria ser aplicado em relação às organizações sociais (que cuidam de hospitais) Qual a vantagem para a sociedade na privatização de um serviço público? Como o discurso messiânico da privatização pela privatização pegou em SP, as pessoas aceitam sem discutir, acreditam que por passe de mágica a privatização elimina a corrupção, mas na verdade transforma-se corrupção estatal em corrupção privada (isso do relacionamento escuso com concessionárias poderia ocorrer se o serviço fosse do Detran, mas é outra estória. E continuaria não havendo lucro ou taxa de serviço extra no serviço prestado pelo Estado, então o custo social seria menor.)
E no fundo não há benefícios com concorrência, gestão, nada disso. Em SP o grupo Controlar, além da inspeção veicular cuida da construção do metrô e da cobrança de pedágios. Não chama a atenção?
Bom, se é num estado onde a polícia já contratou segurança privada para vigiar delegacias...
Próximas oportunidades para tentar melhor as coisas:
2012 - eleição para prefeitos
2014 - eleição para governador"
(Gunter Zibell)
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
"Lamento o ocorrido com o sr.
Aproveitando esta oportunidade, gostaria de especificar alguns procedimentos incorretos e/ou
indevidos adotados pelos inspetores da Controlar que estão prejudicando os Munícipes
Paulistas juntamente com a conivência da Prefeitura de São Paulo que não fiscaliza o serviço
mal feito.
Para começar, a Resolução 418 do CONAMA (Brasilia-DF, Ministéiro do Meio Ambiente - Governo federal e não Municipal), determinou a Inspeção Veicular na Cidade de São Paulo a partir de 2010 e prevê um prazo de 18 meses para sua implantação no restante do País, e a Portaria 147/SVMA-G/2009 especifica outros procedimentos a serem cumpridos.
No art 6º, § 2º está previsto que a frota alvo poderá compreender apenas uma parcela da
frota licenciada na região de interesse, a ser ampliada ou restringida a critério do órgão
responsável (em nosso caso a Prefeitura de São Paulo) e em seu art 20º, § 2º define que a
Inspeção somente será obrigatória a partir do segundo licenciamento anual, inclusive, portanto
a inclusão dos veículos fabricados em 2007, 2008 e 2009 nesta inspeção, tem o caráter
meramente arrecadatório, pois tecnicamente estes veículos raramente apresentam problemas.
(em alguns Países apenas os veículos com mais 3 ou 5 anos de uso é que são inspecionados).
Chegamos então ao primeiro problema para o usuário, pois apesar de pagar caro e ter que
marcar hora e minuto para realização da inspeção é comum ficar aguardando em fila de
espera por 15 a 20 minutos com o veículo em marcha lenta, o que provoca em alguns
modelos, (principalmente os de motor 1.0) um resfriamento natural do catalisador, causando
uma perda de eficiência deste componente importantíssimo no processo de controle dos gases
do escape. Então, apesar da água que refrigera o motor permanecer quente e o ventilador do
radiador ligar com frequência, o catalisador esfria, o que provoca o aumento dos índices de
CO e HC emitidos, reprovando assim, veículos em perfeito estado, e engordando as
estatísticas que são utilizadas para tentar justificar a inclusão de veículos 2007, 2008 e 2009.
Não para por aí, este erro (de propósito ou ao acaso) poderia ser evitado se os
procedimentos descritos nos itens 7, 8 e 9 do anexo III da Portaria 147/SVMA-G fossem
seguidos.
7- Se os valores de CO e HC medidos em regime de 2500 ± 200 RPM após a
descontaminação de 30 segundos, não atenderem aos limites estabelecidos, o veículo tiver
sido aprovado na inspeção visual e a emissão de HC for inferior a 7000ppm, o motor deve
ser mantido nesta faixa de rotação por um período total de até 180 segundos;
8- Durante esse tempo o equipamento deverá efetuar medições sucessivas dos níveis de
concentração de CO, HC e diluição dos gases de escapamento.
9- Tão logo o equipamento obtenha resultado que possibilite a aprovação do veículo durante
o limite de 180 segundos, o motor deverá ser desacelerado e novas medições deverão ser
realizadas sob o regime de marcha lenta.
Na realidade ocorre que a maioria dos inspetores ignoram este procedimento, (bem como
alguns de seus supervisores), deixando o motor cair para a rotação de marcha lenta sem
aguardar os 180 segundos e reprovam o veiculo, que caso o motor permanecesse acelerado a
2.500 rpm por 180 segundos, o catalisador atingiria a temperatura ideal de funcionamento e o
veiculo seria aprovado.
Desculpe se o assunto parece muito técnico, porem não cabe ao Munícipe fiscalizar o fiel
cumprimento da Portaria 147, e sim cabe a Prefeitura a fiscalização da correta execução do
procedimento, e ao não fiscalizar, acaba sendo beneficiada ao encher os bolsos (também o da
Controlar) com o recolhimento de varias taxas de inspeção.
Aproveitando esta oportunidade e finalizando, por enquanto, este assunto da controlar e da inspeção veicular. Vou falar sobre “MÁ FÉ”.
Vejam bem, não é questão de que foi sem querer, não aprendi fazer isto ou aquilo, me ensinaram assim, não fui treinado para isso ou aquilo, meu chefe não falou nada, esqueceram de falar isso, não li o relatório, esqueceram de me passar o e-mail, ou esse tipo de desculpa, falo de má-fé:
“Designa-se má-fé quando um indivíduo, ou um grupo de indivíduos, age intencionalmente com o interesse de prejudicar alguém”.
Vou falar sobre o que presenciei nos testes da controlar.
Anteriormente falei dos 13 segundos que os gases levam da origem até a tela do analisador de gases, pra quem não sabe, no teste de gases o valor que é registrado no laudo é o que esta na tela ao completar os 30s do teste, tanto a 2.500 rpm quanto em rotação de marcha lenta. Portanto quando o relógio que fica na tela e começa em 30 e vai decrescendo até 0, o valor que vai para o laudo é o que está na tela quando zera o cronometro, não é pela media dos 30s, ou pelo pico máximo ou minimo, é no trigésimo segundo, é quando zera o cronometro.
Nos veículos com carburador, existe um sistema chamado de aceleração rápida, que tem a função de injetar uma quantidade adicional de combustível quando se pisa rápido no acelerador, (numa ultrapassagem por exemplo).
Eu vi, um operador da controlar, durante a realização de uma inspeção, dar 2 golpes no acelerador quando faltavam 15 segundos para terminar o teste em 2.500 rpm, e como consequência imediata nada ocorreu, porem o tempo continua contando, e mesmo ficando com o índice dentro do limite de emissões estalecido durante todo o teste, quando faltavam apenas 2 segundos, o índice deu um salto e saiu da escala de tolerância, devido a essa quantidade adicional de combustível que foi injetada no motor a 15 segundos atras, e que demora cerca de 5 segundo para se dissipar, e como faltavam apenas 2 segundos para o final do tempo, e o veiculo foi reprovado. Isto não foi sem querer, não foi incompetência, foi de propósito.
Outro caso. O analisador usa um dispositivo para medir a rotação do motor, que é acoplado através de um imã. Porem este dispositivo, como qualquer outro dispositivo, está sujeito a falhas momentâneas devido a vários fatores. Então quando o sistema detecta que houve alguma inconsistência nos valores medidos de RPM (rotações por minuto) do motor, o programa exibe a seguinte mensagem na tela ao operador: “REPROVAR NA MARCHA LENTA” e apresenta 2 botões com as respostas possíveis ‘SIM” e “NÃO”. Então mesmo que o veículo não tenha qualquer problema, mas é detectado alguma “inconsistência” nos dados, o software de controle faz esta pergunta, e adivinha qual a resposta escolhida pelo operador treinado em analise de emissões e inspeção veicular??? Pois é, ele clica em “SIM” e reprova o veiculo que está com tudo certo, inclusive a análise dos gases dentro do limite.
Por fim, o Técnico em inspeção ao verificar um veiculo, detecta vários problemas, suporte do escape solto, mangueiras rachadas etc. Porem só relata um de propósito, não é falta de treinamento, e má-fé. Sem falar nos tampões imaginários, fumaças invisíveis, furos inexistentes, e o total descaso com qualquer tipo de reclamação, eles não são preparados para dialogar com o público, não foram preparados para lidar com as pessoas que questionam os métodos por eles utilizados, a desculpa e sempre a mesma: “qualquer reclamação é no SAC”.
E ai ao falar com atendentes do “SAC”, super treinados na técnica da demora, recebemos um numero de protocolo, e ao tentar saber o resultado da reclamação através do protocolo, temos sempre aquelas respostas esclarecedoras: “o sistema está em manutenção senhor” ou “o sistema está lento senhora” e a melhor de todas “estamos sem sistema no momento e não é possível atender sua solicitação senhor”. Eficiência padrão ISO 9.000, 9.001, 90….. etc…
Com a finalidade de fazer justiça aos bons profissionais, que com certeza a controlar possui, acredito que a maioria é boa e de boa fé, pois já presenciei situações onde os operadores usaram tanto as limitações do sistema quanto as falhas do sistema para corrigir erros de leitura e fazer valer o certo, então como estes bons profissionais que trabalham de forma correta podem ter ao seu lado outros que usam de má-fé? A resposta é clara, são as “COTAS DE REPROVAÇÃO”, estes “profissionais” entram em ação para cumprir estas cotas e engordar as estatísticas da maneira que for mais conveniente para a controlar e a PMSP/SVMA.
Espero que com o Ministério Público Federal/SP entrando no caso, tenhamos resolvido logo este problema que afeta a todos os Munícipes da cidade de São Paulo, tomara que não acabe em pizza, como é comum em casos contra empresas gigantes e que o Sr. Procurador não se intimide com o poder da CCR/controlar, e que a imprensa não se curve diante das verbas publicitarias/marqueteiras oferecidas e cumpra seu papel principal que é o de informar o cidadão e a sociedade como um todo.
Continuando a aproveitar esta oportunidade, gostaria de falar um pouco sobre o desrespeito da controlar e PMSP/SVMA ao Código de Defesa do Consumidor (CDC).
Vamos começar fazendo algumas perguntas;
Porque não podemos acompanhar o serviço?
Existe algum perigo durante a realização da inspeção que o consumidor não possa ficar perto?
Porque não podemos ficar nem no banco do passageiro dentro do veículo durante o teste?
Será que a Controlar não confia em seus funcionários e tem receio de que eles possam
aproveitar o momento de privacidade para exigir alguma propina?
Porque não somos informados que tipo de inspeção será feita no veículo, o que será avaliado, e como será feita a medição dos gases e demonstrar a correta calibração dos aparelhos?
Porque não se tem um painel ou LCD ou Luminoso que apresente em tempo real os
>valores que estão sendo lidos pelos aparelhos, para que o consumidor possa acompanhar a medição e se o procedimento correto está sendo observado?
Porque não estão disponíveis o CDC, a Resolução 418 do CONAMA e a Portaria 147/SVMA-G/2009 e seus anexos, para consulta do consumidor em caso de dúvida?
Porque quando o veículo é reprovado ou rejeitado não consta do relatório TODOS os defeitos
encontrados e que devem ser sanados?
Porque um item que já foi inspecionado e aprovado numa inspeção anterior, é examinado novamente, e mesmo não tendo sido detectado anomalia anterior, é reprovado?
Porque não existe concorrência neste serviço, qual o motivo do monopólio da controlar?
Porque ao menos duas empresas não fazem a inspeção e o consumidor escolheria a que melhor serviço estiver prestando ou a que tiver preço melhor?
Porque não tem um funcionário da Prefeitura fiscalizando o serviço da controlar em cada posto de inspeção, uma vez que isso impede que o Munícipe regularize a documentação do seu veículo??
A reposta para todas estas perguntas é uma só.
A controlar e a PMSP/SVMA rasgaram o CDC e estão se lixando para o consumidor.
O consumidor tem direito à informação do que será examinado em seu veículo.
Quando o consumidor fica impedido de acompanhar o serviço da controlar ele é enganado,
pois não pode fiscalizar o serviço.
A controlar alega que fornece um relatório detalhado das deficiências encontradas nos
veículos inspecionados, isto é MENTIRA.
O “laudo” é ridículo, contem apenas frases prontas que são escolhidas pelos operadores e
que nem sempre correspondem ao problema do veículo, apenas se aproximam do defeito observado.
Na analise dos gases faltam informações importantíssimas como índices de CO2, O2 e fator LAMBDA, alem, do um gráfico (x,y – tempo,valores) contendo evolução da medição efetuada,
para que se possa fazer uma avaliação do problema, e garantir através deste importantíssimo recurso que o procedimento adequado foi seguido rigorosamente, este gráfico acabaria com qualquer duvida quanto ao procedimento ser aplicado corretamente.
Os analisadores possuem todas estas funções, não são fornecidas por puro desrespeito ao consumidor. O interesse é reprovar e ganhar dinheiro em cima do consumidor desprotegido, e mal informado.
A tarifa deveria ser metade de R$ 56,44 e somente uma inspeção seria feita.
Em caso de o veiculo ser rejeitado não deveria ser considerado como inspecionado, poderia ser rejeitado quantas vezes encontrassem defeitos, até serem todos sanados e o consumidor continuaria a ter direito a voltar para uma outra inspeção, assim a controlar acabaria com essa palhaçada de rejeitar o veiculo cada vez por um motivo diferente, uma vez que ela não ganharia nada com a rejeição, somente com aprovação ou reprovação.
O reagendamento deveria ter um período de pelo menos 90 dias, e não apenas 30, e apenas em caso de reprovação teria que pagar outra tarifa. Sempre ouço que o Brasileiro deixa tudo pra ultima hora, mas se você tem 30 dias pra reagendar a inspeção e com 20 dias não tem mais vaga, hora isso é problema da controlar e da PMSP/SVMA não o é consumidor que tem que correr com o reparo.
Da forma como está, o consumidor paga 2 inspeções e se for aprovado na 1a perde o valor
pago para a 2a, ou alguém acredita que paga uma e a segunda é grátis???
Durante a inspeção, o consumidor deveria poder acompanhar todo processo (caso deseje), e informado de todos os passos a serem feitos, e em caso de reprovação ter o direito de contestar o resultado oferecido pela controlar. Caso o consumidor tenha levado seu carro
para regulagem e tiver laudo emitido por aparelho certificado pelo INMETRO, poderia escolher outro box e outro inspecionador para refazer o teste de seu veículo, e ter a disposição um funcionário da Prefeitura para dirimir duvidas, pois é comum na inspeção visual, os inspetores enxergarem fumaça azul onde é branca (vapor d’água) furos no escape que são apenas sombras, e vazamentos que são apenas reflexos de pinturas dos motores que estão desbotadas, mangueiras que não existem são exigidas, tampões de vácuo ou similares tem que ter a cor e o desenho que o inspetor assim desejar, fixações e suportes imaginários são motivos de reprovação, ou seja uma palhaçada.
A resolução 418 do CONAMA, determina que não haja duplicidade de inspeções:
art 18 – III – a integração das atividades para evitar a coexistência de programas duplicados de emissões e segurança em uma mesma área de atuação, ressalvadas as situações jurídicas consolidadas;
Porem os veículos convertidos para GNV, são obrigados a realizarem 2 inspeções,
uma mais completa, incluindo varias partes mecânicas do veículo e emissões de gases,
e outra na controlar só com emissões, estas inspeções são um abuso para o proprietário deste veículos convertidos.
Em propaganda, a controlar alardeia que ajuda a melhorar o ar de São Paulo. Em que dados estão baseados esta afirmação? Cade os dados científicos ??
Como ficaram os proprietários de milhares de fuscas que foram reprovados varias vezes no período inicial da inspeção, tendo em vista a controlar ter analisado os 2 escapamentos destes veículos quando deveriam ter analisado apenas um? Vão devolver o dinheiro destes consumidores?
Todo consumidor tem direito a ampla defesa, menos quando envolve a controlar, pois não está previsto qualquer tipo de recurso administrativo ou outro recurso em decisões da controlar, isto quer dizer que criaram um serviço onde a controlar não erra por decreto. Lembram quando no Brasil zeraram a inflação por decreto??
Acredito que esta inspeção deve ser interrompida imediatamente, devem ser corrigidos todos os erros de planejamento, contratuais e de execução e depois retornar com empresas que cumpram o CDC, e respeitem o consumidor e com valor justo para o consumidor ou que seja gratuita.
...
Confirmado, diretor presidente da controlar não disse a verdade em entrevista a radio eldorado.
Vejam o uma parte do depoimento de um inspetor da controlar:
“Sensor de rotação: O Sr também comentou sobre a "REPROVAÇÃO NA MARCHA LENTA" e mais um equivoco: Os sensores são sensores de rotação que captam a mesma através de vibração. Ocorre em alguns casos de ocorrer pico ou queda da rotação e essa mensagem é exibida aos inspetores. E sim, é exibida a mensagem com duas opções: Reprovar Sim ou Não.
Não são em todos os casos que é colocado o "Sim", apenas quando o veículo (em geral carburado) …...... E na GRANDE maioria das vezes, coloca-se "Não", porque constata-se que foi apenas o pico, ou a queda, que fez dar essa variação de rotação e assim prossegue normalmente o processo de inspeção.”
Tá ai a confirmação do eu disse, o inspetor mal intencionado e/ou mau treinado, pode interferir no resultado “computadorizado” e “impossível de ser alterado, por querer dele”, como disse o sr diretor presidente.
O depoimento completo pode ser visto aqui:
A entrevista “chapa branca” do diretor presidente pode ser ouvida aqui:
A radio eldorado tem obrigação de esclarecer e prestar serviço aos ouvintes, colocando outro reporter para esclarecer o caso, e não fazer outra entrevista “chapa branca”, sob pena de perder a credibilidade, pois todos fomos enganados e continuamos a ser enganados.
Tambem é estranho o fato de não se poder comentar a matéria."
(Anselmo G. Pereira)

Um comentário:

  1. Meu nome é Edson e estou indgnado com o que aconteceu comigo no sábado dia 19/11/11, levei uma Perua Kombi para a reinspeção as 18h48:36.
    fui reprovado na inspeção visual, sendo que no dia 22/10/11 na primeira inspeção fui aprovado na inspeção visual e reprovado na marcha lenta do GNV. Paguei 120,00 para regular o carro conforme exige a controlar,o carro ficou bem abaixo da exigencia na emissão de gazes. O inspetor reprovou o carro sem sequer medi-las.
    Fui reclamar desta injustiça e fui ignorado pelo responssável. a Aneaçado por seguranças.
    QUERO SABER DOS MEUS DIREITOS, agora terei que pagar as taxas outra vez e só DEUS sabe o que vai acontecer desta vez. Defeitos ridículos e inventados são achados para lezar o conssumidor.
    Além de ser uma lei inconstitucional imposta, pois trafego pela cidade de São Paulo e vejo veiculos de outros Municípios e Estados soltando fumaça visivel livremente. Estou pagando muito caro por tudo isto, além de respirarar a mesma poluição. Já gastei muito desnecessáriamente com regulagens e taxas de inspeção, sendo que o motor está dentro dos padrões exigidos.edsonartevisual@gmail.com

    ResponderExcluir

Follow by Email