Pesquisar este blog

terça-feira, 26 de julho de 2011

Para Entender a Crise


Todos, quase todos, sabem que a atual crise econômica teve início com o estouro de uma gigantesca bolha especulativa no setor imobiliário, em setembro de 2008, nos Estados Unidos. Mas é só isso? Não haverá causas globais e estruturais que expliquem melhor a presente depressão de praticamente todas as economias do mundo? Não seria, enfim, o caso de estudarmos melhor o fenômeno descrito como o das crises cíclicas que acometem periodicamente (grosso modo a cada dez anos) o sistema (modo de produção) capitalista?

Esta coluna tentará dar resposta a estas perguntas.

26-07-11

Arrogantes e insensatos, americanos ensaiam a Crise Mãe

A mídia está tratando esta questão do iminente calote dos EUA, como uma imperdoável leviandade dos políticos  americanos que, por questões eleitorais, estão brigando à  beira do abismo e  colocando toda a economia mundial em risco.
É uma verdade, mas não é toda a verdade. Por trás desta disputa entre  o presidente Obama e os republicanos, que controlam a Câmara dos Representantes (dos deputados), há uma insuperável  questão ideológica: os republicanos e não só os mais radicais, acreditam sinceramente que toda e qualquer solução econômica deve ser entregue às leis do  Mercado e  não à ação do Governo. Aliás, os neoliberais brasileiros, também  pensam assim.
É a velha proposta do Estado Mínimo. Quando estourou a  Grande Crise Americana de setembro de  2008 (que é sistêmica e terminal) as lideranças políticas republicanas e seus principais ideólogos,  disseram claramente: deixa quebrar, mesmo que  haja  temporariamente desemprego e sofrimentos humanos, o Mercado  se encarregará de ajustar as coisas logo mais adiante.  A economia tem capacidade de auto-regeneração e sempre foi  assim, com  alternância de picos de crescimentos eufóricos e vales depressivos.
Nos quatro anos anteriores,  Bush filho  seguira  à risca  esta receita: diminuiu a ação social do Estado e eliminou alguns impostos cobrados ao Grande Capital  que, assim, poderia investir mais e gerar empregos. Em seguida, partiu para a guerra no Iraque e no  Afeganistão, enquanto  o Grande Capital (controlado já pelo segmento financeiro) partia para a construção  meticulosa  da maior bolha especulativa de  todos os  tempos. Deu no que deu.
O papa de todas estas teorias cretinas que  gente como Míriam Leitão e  Carlos Alberto Sardenberg  repetem e à exaustão e de forma de   nauseante e simplória   é  o economista  americano Milton Freidman, Prêmio Nobel (1976) e autor da “bíblia” Capitalismo e Liberdade.
Freidman, além de pregar (contrapondo-se a  Keynes)  o Estado Mínimo e o Mercado Máximo, teve a  habilidade ou malícia, como o título sugere,  de afirmar que   capitalismo é sinônimo de liberdade. Na verdade, porém, a maior  afinidade do capitalismo puro e fundamentalista (a seleção  social natural – que vença o mais forte) e com o nazismo puro.
A Bíblia 2 dos republicanos  e parte dos neoliberais americanos é  a obra  “O Choque das Civilizações”  (1996) do polêmico e ousado  economista  e cientista político Samuel Huntington que  desde  a  Era Reagan vem sendo conselheiro formal  ou informal de todos os presidentes republicanos.
 Ele defende, em síntese, que, na virada do século,  as guerras religiosas  substituiriam as ideológicas.  É nesse sentido que, para grande parte dos norte-americanos, a guerra contra o islamismo (que para eles se confunde com o terrorismo moderno), faz todo o sentido. Aliás, para  parte da mídia brasileira mais exaltada também faz. Tanto que ela alinha-se automaticamente  ao conteúdo  editorial  da mídia americana que é, por sua vez,  ditado pelo Departamento de Estado.
Como se vê, esta briga entre Obama e  os republicanos vai muito além de uma simples disputa eleitoral. E segue a novela:
 Barack Obama fez ontem (25) um apelo desesperado em rede nacional de TV para que haja um comprometimento de republicanos e democratas com um acordo para elevar o teto da dívida pública do país, hoje em US$ 14,3 trilhões. O prazo fatal para a declaração de inadimplência (calote de consequências imprevisíveis) é 2 de agosto.
Momentos após o discurso de Obama, o presidente da Câmara, o republicano John Boehner, disse que os Estados Unidos não podem suspender os pagamentos, mas também não se pode dar um “cheque em branco” ao governo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Follow by Email