Pesquisar este blog

terça-feira, 9 de agosto de 2011

A incrível reação da Islândia à crise financeira

http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-a-incr%C3%ADvel-historia-da-isl%C3%A2ndia

Segunda, 01 de agosto de 2011 às 8:47 PDT.

Uma história em um programa de rádio italiano sobre a revolução da Islândia em curso é um exemplo impressionante de como nossa mídia pouco nos diz sobre o resto do mundo. Os americanos podem se lembrar que no início da crise financeira de 2008, a Islândia, literalmente, faliu. As razões foram mencionadas apenas de passagem, e desde então, este membro pouco conhecido da União Europeia caiu no esquecimento.

Um pais após o outro falindo na Europa, colocando em risco a Euro, com repercussões para o mundo inteiro, a última coisa que os poderosos querem é que a Islândia se torne um exemplo. Eis o porquê:

Cinco anos de um regime puramente neoliberal tinha feito da Islândia, (população 320.000, nenhum exército), um dos países mais ricos do mundo. Em 2003 todos os bancos do país foram privatizadas, e em um esforço para atrair investidores estrangeiros, eles ofereceram on-line banking cujos custos mínimos de lhes permitia oferecer taxas relativamente altas de retorno. As contas, chamado Icesave, atraiu muitos pequenos investidores Ingleses e Holandeses. Mas como os investimentos cresceram, assim como a dívida dos bancos estrangeiros. Em 2003 a dívida da Islândia foi igual a 200 vezes o PIB a sua, mas em 2007, era 900 por cento. A crise mundial financeira de 2008 foi o golpe de misericórdia. Os três principais bancos da Islândia, Landbanki, Kapthing e Glitnir, faliram e foram nacionalizados, enquanto o Kroner perdeu 85% de seu valor em relação ao Euro. No final do ano a Islândia foi a falência.

Ao contrário do que se poderia esperar, a crise resultou que os islandeses recuperaram seus direitos soberanos, através de um processo de democracia participativa direta, que finalmente levou a uma nova Constituição. Mas só depois de muita dor.

Geir Haarde, primeiro-ministro de um governo de coalizão social-democrata, negociou um empréstimo de dois milhões de dólares e cem mil, para o qual os países nórdicos acrescentou mais dois milhões e meio. Mas a comunidade financeira estrangeira pressionados a Islândia para impor medidas drásticas. O FMI e a União Europeia queria assumir a sua dívida, alegando que este era o único caminho para o país para pagar a Holanda e a Grã-Bretanha, que prometeu reembolsar seus cidadãos.

Protestos e revoltas continuaram, acabou forçando o governo a demitir-se. As eleições foram antecipadas para Abril de 2009, resultando em uma coalizão de esquerda que condenou o sistema econômico neoliberal, mas logo cedeu às suas exigências que a Islândia pagar um total de três milhões e meio de Euros. Isso exigiu cada cidadão islandês para pagar 100 euros por mês (ou cerca de US $ 130) por quinze anos, a juros de 5,5%, para pagar uma dívida contraída por particulares vis a vis outras partes privadas. Foi a gota d´água .

O que aconteceu depois foi extraordinário. A crença de que os cidadãos tinham que pagar pelos erros de um monopólio financeiro, que uma nação inteira deve ser tributada para pagar as dívidas privadas foi quebrado, transformando a relação entre os cidadãos e suas instituições políticas e, eventualmente, conduzir os líderes da Islândia ao lado de seus eleitores . O Chefe de Estado, Olafur Ragnar Grímsson, se recusou a ratificar a lei que teria feito os cidadãos da Islândia responsável por dívidas seus banqueiros ", e foi marcado um referendo.

É claro que a comunidade internacional só aumentou a pressão sobre a Islândia. Grã-Bretanha e Holanda ameaçou represálias terríveis ameaçando isolar o país. Como os islandeses aprovaram o referendo, os banqueiros estrangeiros ameaçaram bloquear qualquer ajuda do FMI. O governo britânico ameaçou congelar poupanças islandesas e contas correntes. Como Grímsson disse: "Foi-nos dito que, se recusemos as condições da comunidade internacional, nos tornaríamos a Cuba do Norte. Mas, se tivéssemos aceitado, teríamos se tornar o Haiti do Norte. "(Quantas vezes eu já escrevi que quando os cubanos ao ver o péssimo estado de seu vizinho, o Haiti, sentem-se com sorte.)

Em março de 2010 referendo, 93% votaram contra o pagamento da dívida. O FMI imediatamente congelou os seus empréstimos. Mas a revolução (apesar de não televisionado nos Estados Unidos), não seria intimidada. Com o apoio de uma cidadania furiosa, o governo iniciou investigações civil e penais para os responsáveis pela crise financeira. A Interpol lançou um mandado internacional de prisão para o ex-presidente do Kaupthing, Sigurdur Einarsson, como os outros banqueiros envolvidos no escândalo fugiram do país.

Mas os islandeses não pararam por aí: eles decidiram elaborar uma nova constituição que iria libertar o país do poder exagerado das finanças internacionais e dinheiro virtual. (O uso de Um havia sido escrito quando a Islândia ganhou sua independência da Dinamarca, em 1918, a única diferença com a Constituição dinamarquesa sendo que "presidente" a palavra substituída 'rei' da palavra.)

Para escrever a nova constituição, o povo da Islândia elegeram 25 cidadãos, entre 522 adultos que não pertencem a nenhum partido político, mas recomendado por pelo menos trinta cidadãos. Este documento não foi obra de um punhado de políticos, mas foi escrito na internet. Reuniões da constituinte são transmitidos on-line, e os cidadãos podem enviar seus comentários e sugestões, testemunhando o documento como ele toma forma. A Constituição que eventualmente emerge deste processo participativo e democrático será submetido ao parlamento para aprovação após as próximas eleições.

Alguns leitores se lembrarão de que o colapso da Islândia agrária do seculo nono foi apresentada no livro de Jared Diamond. Hoje, esse país está se recuperando de seu colapso financeiro de forma exatamente oposta daqueles que geralmente considere inevitável, como foi confirmado ontem pelo novo chefe do FMI, Christine Lagarde de Fareed Zakaria. O povo da Grécia deve ter considerada a privatização de seu setor público a única solução. E as de Itália, Espanha e Portugal estão enfrentando a mesma ameaça.

Eles devem olhar para a Islândia. Recusando-se a curvar aos interesses estrangeiros, que país pequeno declarou alto e bom som que o povo é soberano.

É por isso que não está nas notícias em lugar algum.

Texto original em inglês: http://www.calameo.com/link?id=18344525

Um comentário:

  1. quer dizer que para se pagar uma dívida de mais de dez vezes o valor do PIB, basta mudar a constituição?

    ResponderExcluir

Follow by Email