Pesquisar este blog

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Como age a polícia na nossa "democracia"

A expulsão de estudantes da moradia da USP




ESCRITO POR MORADIA RETOMADA USP
TERÇA, 28 DE FEVEREIRO DE 2012

Uma operação de guerra

O Reitor Rodas enviou novamente à USP os seus apoiadores mais dedicados, a Tropa de Choque da PM. Eles invadiram o CRUSP, assim como na desocupação da reitoria, só que dessa vez para prender os estudantes que residiam na Moradia Retomada. O reitor esperou de forma covarde o momento em que o CRUSP estivesse vazio e num domingo de carnaval, às 5 horas da madrugada, mais de 200 policiais fortemente armados, com vários carros blindados, dezenas de viaturas e um helicóptero cercaram o CRUSP. Até um batalhão de cavalaria ficou estacionado no P1 aguardando ordens para agir.

Um enxame de policiais se aproximou do Bloco G e arrombou a porta da Moradia Retomada, sem darem a possibilidade de que os moradores saíssem, um procedimento que seria padrão em operações de reintegração de posse. Não! A ordem era prender todos, identificá-los e fichá-los para que possam sofrer processos criminais e administrativos. Os policiais nos enfileiraram na sala e nos obrigaram a entregar o RG e a carteirinha da USP, numa clara tentativa de achar não-estudantes e classificar nosso movimento para a imprensa como algo estranho à Universidade. O que não conseguiram, já que dos 12 estudantes detidos, apenas 3 não eram estudantes da USP, sendo duas delas visitantes e outra, namorada de um morador. Nada do que não se veja em qualquer moradia estudantil.

Os moradores do CRUSP são vistos como inimigos

No Bloco G, vários andares vizinhos da Moradia foram revistados por policiais, que obrigaram os moradores a saírem de seus quartos, alguns até com roupas íntimas, para que seus quartos pudessem ser revistados na busca por algum estudante subversivo ou máquina filmadora que contenha imagens da ação policial. As portarias de alguns blocos foram bloqueadas pela polícia para impedir que os moradores descessem. No Bloco F, vários moradores tentaram protestar contra o fato de que o CRUSP mais uma vez foi transformado em um presídio a céu aberto e arremessaram lixos pelas janelas. A Tropa de Choque respondeu atirando balas de borracha e janelas de uma cozinha foram estilhaçadas.

Um fato marcante na operação foi a presença do Superintendente da Coseas Waldir Antônio Jorge, o braço direito do líder supremo e que toma conta do nosso campo de concentração chamado CRUSP. Outra que marcou presença na operação foi a “assistente social” Marília Zallaf. Esses puxa-sacos do Rodas só não apanharam dos moradores porque se esconderam atrás do cordão de isolamento da polícia.

A mentira do comandante da PM

Durante a detenção na Moradia, o comandante da polícia mentiu ao nos dizer que seríamos liberados assim que nos identificássemos. Entretanto, pegaram os documentos de todos e anunciaram que seriamos levados em um ônibus para a delegacia. Ao serem questionados, os policiais se negaram a ler a ordem judicial e arrastaram alguns moradores até o ônibus de forma truculenta, inclusive uma garota grávida de seis meses, enquanto a arrastavam tapavam sua barriga com lençol na tentativa de esconder tal trubalidade. Até o cão Bôbo, que é o mascote da Moradia, foi preso. Veja novo vídeo no youtube que mostra a arbitrariedade das prisões.

Dentro do ônibus, os policiais fecharam todas as janelas e cortinas para impedir que os cruspianos vissem-nos presos. Uma estudante abriu as cortinas e foi agredida por policiais que apertaram sua nuca e seus braços. Vários estudantes se colocaram na frente do ônibus para impedi-lo de passar e só foram removidos com a ação da tropa de choque.

Na delegacia

Ao chegarmos à delegacia, uma estudante perguntou ao delegado para aonde estávamos sendo levados. O delegado falou que nós iríamos conhecer “Auschwitz”. Ficamos num primeiro momento detidos no pátio de Inverno da delegacia e fomos sendo chamados um a um para prestar depoimento.

E ao se negarmos falar sem a presença de um advogado, o que é um direito constitucional, tentaram nos intimidar de várias formas. Uma estudante negra do curso de letras foi chamada de moradora de rua e analfabeta, dando a entender que seria estranho uma negra ser estudante da USP. Outra estudante do curso de filosofia foi chamada de vaca suja. Um estudante colombiano da pós-graduação foi chamado de filho da puta e foi dito que aqui não era o seu país, enquanto era chacoalhado pelo delegado, assim como foi feito com um estudante chileno de arquitetura. Essa é a internacionalização que a USP pretende fazer... a internacionalização da repressão?

Dentro das celas

Depois disso, o delegado nos mandou para as celas da delegacia. Fomos separados por sexo e a menor de idade também ficou presa numa terceira cela, configurando-se assim, mais uma aberração jurídica! As celas tinham cerca de 1,5m por 2m e estavam em condições degradantes. O chão estava sujo de urina, a latrina transbordava fezes, as paredes estavam sujas de sangue e um cheiro forte de creolina subia do chão. Somando-se isso ao calor insuportável do ambiente, era quase impossível se respirar!

Muitos não conseguiram nem se sentar e passaram mal! Fomos tratados como lixo e guardaremos isso pelo resto de nossas vidas. Ficamos lá por cerca de 10 horas, o que para nós durou uma eternidade... Em meio a essa situação, estava a estudante grávida que passou mal e chegou inclusive a desmaiar e só foi tirada da prisão e levada para um hospital, depois de gritos de socorro.

Estudantes e trabalhadores solidários a nossa situação se aglomeraram do lado de fora da delegacia e compraram comida, já que não comíamos nada desde o dia anterior e tiveram muita dificuldade para que o delegado deixasse nos entregar. Nossa advogada chegou à tarde e teve grandes dificuldades para conseguir falar conosco, pois os policiais não queriam nem mesmo abrir as portas das celas, o que só foi conseguido depois de um escarcéu que a mesma fez na delegacia.

As agressões até o IML e mais constrangimento

De tarde, começaram a chegar alguns veículos de imprensa na delegacia e o delegado, que já tinha até falado em nos deixar presos durante o carnaval, com receio da má repercussão do caso resolveu agilizar a nossa situação e nos imputou uma fiança de um terço de um salário mínimo, por pessoa (cerca de R$2.400,00 no total) e nos encaminhou para o IML, para fazermos o exame de corpo de delito. Fomos transportados nos bagageiros dos camburões da polícia e no caminho começaram um tipo de tortura utilizado pela PM, que é fazer ziguezagues com o veículo para que batêssemos a cabeça e ralássemos nossas costas nos escudos da tropa de choque, pois não tínhamos aonde nos segurar. Também faziam comentários do tipo “se pudesse, botava todo mundo em fila e metia fogo”.

No IML, as mulheres foram submetidas a outra situação humilhante. Só havia um médico legista homem, que as obrigou a tirar toda a roupa, inclusive a calcinha, sob a ameaça de que voltariam todas para a cadeia caso se recusassem. Um procedimento desnecessário, uma vez que as mesmas haviam dito que não havia machucados nessas partes, assim como ocorreu na prisão da ocupação da reitoria, quando as presas foram examinadas por uma médica e não precisaram tirar toda a roupa.

Depois disso, voltamos para as celas imundas e fomos soltos só no final da tarde, após nos ficharem e assinarmos o alvará de soltura. A fiança foi paga pela Amorcrusp, por Centros Acadêmicos e sindicatos que se solidarizaram com a nossa situação.

O depois

Após esse dia de terror, nos deparamos com a situação de não termos mais uma moradia e tivemos que contar com a solidariedade de moradores do CRUSP que estão nos abrigando como hóspedes. Nossos bens estão até hoje presos dentro da Moradia e muitos estudantes estão apenas com a roupa do corpo.

Conhecendo as medidas de perseguição e repressão, existe a possibilidade iminente do processo criminal ser levado adiante, assim como sermos expulsos da universidade. Os estudantes estrangeiros correm o sério risco de serem deportados para seus países. O próprio Waldir, em uma reunião com a Amorcrusp nessa sexta-feira, disse que todos sofrerão processos administrativos e provavelmente serão expulsos da Universidade. Este é o tratamento dado por este órgão, que ao contrário de expulsar deveria estar cuidando do alojamento destes estudantes, que justamente somente viviam lá por não terem recebido sua vaga, e que agora estão na rua.

É esse o tipo de tratamento que uma Universidade pública que se diz democrática deve dar a estudantes que não têm um lugar para morar enquanto fazem o seu curso? Quem serão as próximas vítimas?

- Chega de repressão e perseguição política!
- Greve Geral na USP!
- Fora PM! Fora Waldir! Fora Rodas!
- Abaixo os processos, as prisões e expulsões na Universidade!
- Pela devolução da Moradia Retomada e dos Blocos K e L para os estudantes!


Movimento de luta por permanência estudantil – Moradia Retomada
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO EM TERÇA, 28 DE FEVEREIRO DE 2012

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

10 razões para dizer NÃO aos transgênicos


Desde 2003 o Brasil tem um decreto sobre rotulagem. Todo alimento com mais de 1% de transgênico deve ser rotulado. Infelizmente as empresas não estão cumprindo a lei. O governo não fiscaliza. Os consumidores estão saindo no prejuízo pois podem estar levando transgênicos para casa sem saber.
1. Não precisamos dessas sementes na nossa agricultura – depois de 10 anos de uso comercial em outros países só dois tipos de transgênicos foram criados. Um é resistente a herbicidas e outro mata lagartas – o Bt. Os problemas que os agricultores brasileiros enfrentam no dia a dia são outros e bem mais complexos. Por exemplo: comercialização, crédito e assistência técnica adequados. São problemas que não podem ser resolvidos por esses dois tipos de transgênicos.
2. Seus riscos nunca foram devidamente testados – as empresas e os pesquisadores que promovem os transgênicos tentam convencer a população que eles são iguais aos outros alimentos. Tentam assim dizer que não precisam ser testados. As pesquisas feitas antes da liberação comercial não avaliam questões importantes sobre impactos para a saúde humana e o meio ambiente. Testes rigorosos sobre alergias e segurança alimentar devem ser feitos antes da liberação.
3. A CTNBio não garante a segurança desses produtos – a lei de Biossegurança criou a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – a CTNBio. Esta comissão é formada por 27 pesquisadores indicados pelo governo e pela sociedade civil. A maioria dos integrantes da CTNBio trabalha com transgênicos e tem interesse que eles sejam rapidamente liberados. Essa visão prejudica avaliações de risco que garantam nossa saúde e meio ambiente.
4. Maior uso de agrotóxicos – De cada 10 hectares plantados com transgênicos no mundo, quase 7 deles são com soja, milho, algodão ou canola resistentes a herbicida. O uso repetido de um mesmo herbicida tem levado ao aparecimento de plantas resistentes. Essas plantas que não são mais controladas pelo herbicida levam o produtor a aumentar a dose do agrotóxico ou usar outros produtos mais tóxicos. Na Argentina, o uso de Roundup cresceu 86% com a soja transgênica. Nos Estados Unidos, cresceu mais de 70%. Lucra a Monsanto, que vende a semente e o herbicida.
5. Criação de novas pragas – os transgênicos do tipo Bt produzem uma toxina em todas as partes da planta que serve para controlar lagartas. Estudos já mostraram que a quantidade de toxina Bt varia na planta ao longo do ciclo da cultura. Isso pode criar insetos resistentes ao Bt. Há ainda o risco de que outros insetos também morram ao se alimentar das plantas Bt. Isso pode prejudicar o equilíbrio ecológico e o controle biológico de pragas. Como as plantas Bt controlam só alguns insetos, elas não eliminam o uso de inseticidas.
6. Contaminação das variedades crioulas – a experiência tem mostrado que é muito difícil manter os transgênicos sob controle depois que eles são liberados. No caso da soja, a contaminação da produção orgânica e convencional vem acontecendo desde a semente até a armazenagem. O uso de máquinas e colhedeiras pode misturar as sementes. No caso do milho o problema é ainda muito mais grave. Além das máquinas e caminhões, a contaminação pode acontecer pelo vento, que carrega o pólen a distâncias muito grandes. Ninguém sabe ao certo o que acontece no longo prazo com as sementes contaminadas. O certo é que o agricultor pode perder o direito de escolher o que plantar e o que colher. E se a contaminação se espalha, o consumidor perde o direito de escolher o que comprar.
7. As sementes são patenteadas – todo agricultor que planta semente transgênica deve pagar uma taxa para a empresa dona da semente. Essa taxa é conhecida como royalty. Ao comprar a semente o agricultor assina um contrato com a empresa assumindo o compromisso de não vender, não guardar e não plantar no ano seguinte as sementes colhidas. O contrato também coloca um limite de produção por hectare de acordo com o cultivo e a região do produtor. A empresa faz isso como forma de garantir que o agricultor terá que comprar suas sementes no próximo ano. Com as sementes transgênicas o agricultor fica totalmente dependente de empresas como Monsanto e Syngenta.
8. Controle de multinacionais – Apenas 4 empresas multinacionais dominam quase todo o mercado de transgênicos no mundo e 49% de todo o mercado de sementes. Com tanto poder em mãos essas empresas podem direcionar inclusive os programas de melhoramento da Embrapa e de instituições estaduais de pesquisa. Isso pode reduzir a oferta de sementes não-transgênicas no mercado e deixar os produtores sem opção.
9. Os alimentos não são rotulados – Desde 2003 o Brasil tem um decreto sobre rotulagem. Todo alimento com mais de 1% de transgênico deve ser rotulado. Infelizmente as empresas não estão cumprindo a lei. O governo não fiscaliza. Os consumidores estão saindo no prejuízo pois podem estar levando transgênicos para casa sem saber.
10. Há caminhos mais sustentáveis para a agricultura – A agroecologia é um movimento que cresce cada vez mais no Brasil inteiro. As experiências com agroecologia vêm mostrando ótimos resultados na redução de custos, no aumento e na diversificação da produção e na segurança alimentar das famílias. A agroecologia incorpora novas técnicas ao mesmo tempo em que valoriza e resgata o saber camponês. As sementes crioulas são adaptadas aos sistemas agroecológicos e deixam o agricultor livre da dependência da indústria de insumos e sementes.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Apple na China: O lado podre da maçã


Em Taiwan, um repórter da rede estadunidense ABC conseguiu entrar numa unidade da Foxconn, maior produtora de iPhones e iPads do mundo.

Reportagem da inglesa BBC
afirma que o repórter teve acesso à fábrica dias após a Apple ter anunciado que um grupo de investigadores independentes iria inspecionar as fábricas que produzem 90% de seus produtos.

As condições são semelhantes àquelas em que vivem cobaias em caixas de Skinner. No entanto, Tim Cook - o sucessor de Steve Jobs - enviou e-mail a todos os seus empregados, onde defende os valores da empresa e afirma a preocupação da Apple com cada um dos empregados da cadeia de produção:


"A nosotros nos definen nuestros valores. Desafortunadamente algunas personas están cuestionando los valores de Apple hoy en día... Nosotros valoramos a cada trabajador en nuestra cadena de suministro global...Cualquier insinuación de que no nos interesa es claramente falsa y ofensiva para nosotros".

Que tal Tim Cook passar uma semana no lugar de um dos trabalhadores da Foxconn para sentir na pele "los valores da Apple"?

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Na Europa, o poder é do Goldman Sachs

 
Eles pertencem à rede que o Goldman Sachs teceu no Velho Continente e, em diferentes graus, participaram da mais truculenta operação ilícita orquestrada pela instituição americana. Além disso, não estão sozinhos.

Os adeptos das teorias conspiratórias estão vendo suas expectativas se cumprirem. Onde está o poder mundial? A resposta cabe num nome e num lugar: na sede do banco de negócios Goldman Sachs.

O banco americano consegui uma façanha rara na história política mundial: colocar os seus homens à frente de dois governos europeus e do banco que rege os destinos das políticas econômicas da União Europeia. Mario Draghi, o atual presidente do Banco Central Europeu; Mario Monti, presidente do Conselho italiano, que substituiu Silvio Berlusconi e Lucas Papademos, o novo primeiro-ministro grego; todos pertencem à galáxia do Goldman Sachs.

Estes governantes, dois dos quais Monti e Papademos, são a ponta de lança da anexação da política pela tecnocracia econômica, pertencem à rede Sachs e participaram das mais truculenta operação ilícita orquestrada pela instituição americana. Além disso, eles não estão sozinhos. Pode-se também mencionar Petros Christodoulos, hoje à frente do organismo que administra a dívida pública grega e ex-presidente do Banco Nacional da Grécia, a quem Sachs vendeu o produto financeiro conhecido como swap e com o qual as autoridades gragas e Goldman Sachs orquestraram a maquiagem das contas gregas.

O dragão que protege os interesses de Wall Street conta com homens chaves nos postos mais decisivos, mas não apenas na Europa. Henry Paulson, ex-presidente do Goldman Sachs, foi nomeado secretário do Tesouro americna, enquanto que William C. Dudley, outro das altas esferas do Goldman Sachs, é o atual presidente do Federal Reserve de Nova York.

Mas o caso dos líderes europeus é mais paradigmático. O lugar de honra cabe a Mario Draghi.

O hoje, presidente do Banco Central Europeu, BCE, foi vice-presidente da Goldman Sachs para a Europa entre 2002 e 2005. O título de seu cargo era “empresas e dívidas públicas”. Precisamente nessa cargo, Draghi teve como missão vender o incendiário produto swap. Este instrumento financeiro é chave na ocultação da dívida pública, ou seja, na maquiagem das contas gregas. Foi essa ardilosa armação que permitiu a Grécia se qualificar para fazer parte dos países que entrariam no euro, a moeda única europeia. Tecnicamente, e com o Goldman Sachs como operador, transformou-se a dívida externa da Grécia de dólares para euros.

Com isso, a dívida grega desapareceu dos balanços negativos e Goldman Sachs (GS) levou uma suculenta comissão. Logo depois, em 2006, Goldman Sachs vendeu parte desse pacote de Swaps ao principal banco comercial do país, o National Bank of Greece, liderada por um outro homem da GS, Petros Christodoulos, um ex-corretor da Goldman Sachs e atual diretor do órgão de gestão da dívida da Grécia que ele mesmo e, os citados anteriormente, até então ajudaram esconder.

Mario Draghi tem uma história pesada. O ex-presidente da República Italiana, Francesco Cossiga acusou Draghi de ter favorecido Goldman Sachs na adjudicação de grandes contratos, quando era diretor do Tesouro da Itália e estavam em pleno processo de privatização. A verdade é que agora o diretor do Banco Central Europeu, aparece como o grande vendedor de Swaps em toda a Europa.

Neste emaranhado de falsificações aparece o chefe do Executivo grego, Lucas Papademos. O primeiro-ministro foi o governador do banco central grego entre 1994 e 2002. Esse é precisamente o período em que Sachs foi cúmplice na ocultação da realidade econômica grega. Papademos, responsável pela entidade bancária nacional, não podia ignorar a armação que estava sendo montada. As datas em que ocupou o cargo fazem dele um operador da montagem.

Na lista de notáveis segue Mario Monti. O atual presidente do Conselho italiano foi conselheiro internacional do Goldman Sachs desde 2005. Em síntese, muitos dos homens que fabricaram o desastre foram chamados agora para tomar as rédeas de postos chaves, com a missão de reparação às custas dos benefícios sociais do povo, conseqüências que eles mesmos criaram. Não há dúvida de estamos vendo o que os analistas chamam de "um governo Sachs europeu”.

O Português Antonio Borges dirigia até pouco tempo – acaba de renunciar - o Departamento Europeu do Fundo Monetário Internacional. Até 2008, Antonio Borges foi vice-presidente do Goldman Sachs. O sumido Karel Van Miert – Bélgica –, foi comissário europeu da Competividade e também um quadro do Goldman Sachs. O alemão Ottmar Issing foi sucessivamente presidente do Bundesbank, conselheiro internacional do banco de negócios americano e membro do Conselho de Administração do Banco Central Europeu.

Peter O'Neill é outro homem do emaranhado: presidente do Goldman Sachs Asset Management, O'Neill, apelidado de O Guru do Goldman Sachs, é o inventor do conceito Brics, o grupo de países emergentes composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Acompanha O'Neill outro peso pesado, Peter Sutherland, ex-presidente da Goldman Sachs International, membro da seção Europeia da Comissão Trilateral, assim como Lucas Papademos, ex-membro da Comissão de Competividade da União Europeia, fiscal-geral da Irlanda e influente mediador do plano que desembocou no resgate da Irlanda.

Alessio Rastani é que tem toda a razão. Este personagem que se apresentou diante da BBC como um trader disse faz poucas semanas: "Os políticos não governam o mundo. Goldman Sachs governa o mundo". Sua história é exemplar do duplo jogo, como as personalidades e as carreiras dos braços mundiais do Goldman Sachs. Alessio Rastani disse que ele era um trader londrinense, mas logo depois descobriu-se que nada tinha de trader e que fazia parte do Yes Men, um grupo de ativistas que, através da comédia e da infiltração nos meios de comunicação, denunciam o liberalismo.

Ficará para as páginas da história mundial a impunidade desses personagens. Empregados por uma empresa americana, orquestraram uma dos maiores golpes já conhecidos, cujas conseqüências estão sendo pagas hoje. Foram premiados, agora, com o leme da crise, planejada por eles mesmos.

A reportagem é de Eduardo Febbro e publicado pelo Página/12, 23-11-2011. A tradução é do Cepat.
Fonte: http://diacrianos.blogspot.com/

Repressão Preventiva, Ovo da Serpente






ESCRITO POR LÉO LINCE   
SEXTA, 17 DE FEVEREIRO DE 2012


Os acontecimentos da semana serviram para mostrar que o artigo mudou de gênero, mas o substantivo continua a operar no diapasão de sempre. A presidente da República, que na juventude enfrentou a tortura com extrema dignidade e foi anistiada, agora resolveu tomar assento entre os templários da ordem injusta.  Do alto de sua nova posição, disparou cavalos telegráficos: não negocia com grevistas, nem cogita de anistia. Ao invés de Violeta Parra (“os famintos pedem pão”), ou do liberal mineiro Milton Campos (mandem o trem pagador), ela optou pela mão pesada da punição exemplar. Uma exigência da máquina mercante.

O ministro da Justiça, oriundo das fileiras mais arejadas do petismo, abandonou a antiga leveza, simpática e bem humorada. Agora, corpanzil alargado pela untuosidade do poder, adota ares sombrios que fazem lembrar Gama e Silva. No vértice de uma inusitada articulação de forças, cenho franzido, ele dispara as ameaças típicas da opção preferencial pela linha do confronto. A ostentação da musculatura repressiva do governo federal, inclusive com o uso cada vez mais banalizado das Forças Armadas no papel de polícia, deve ser motivo de preocupação para a cidadania. Ainda mais quando pairam sombras sobre alguns elos da investida desencadeada.

Dizem os do governo que houve autorização judicial para grampear telefones. Tal autorização teria sido assinada por um juiz cujo nome foi mantido em segredo. Qual a razão de tão estranho procedimento?  Também nada foi informado sobre o alcance do grampo. Quais foram os atingidos pela autorização secreta? Os líderes grevistas da Bahia e do Rio de Janeiro? Os parlamentares que buscavam mediar negociações também tiveram seus telefones grampeados?  São informações importantes para que o cidadão possa avaliar o sentido geral da operação. O império da lei opera na transparência, as maquinações do arbítrio no lusco-fusco da opacidade.

Outra dimensão do acontecido, talvez por conta de antecedentes tão famosos, intriga por demais o cidadão. Causa espanto a rapidez com que trechos seletos de telefonemas grampeados apareceram no mesmo dia, e com absoluta exclusividade, na tela da Globo. Impossível não ficar de pé atrás. Qual a razão da exclusividade? Foi combinado com antecedência? As fitas foram levadas até a emissora por algum estafeta ou foi a própria emissora que operou o grampo? Quem selecionou os trechos a serem exibidos? A emissora? Os agentes da repressão? O próprio ministro?  São indagações para as quais a ausência de resposta explica tudo.

Hoje já se sabe que dois senadores petistas, um do Rio outro da Bahia, estão na fita de um dos telefones grampeados. Foram poupados (por razões óbvias?) de aparecer na telinha. A divulgação de trechos seletos de telefonemas grampeados não cumpre, por suposto, qualquer função investigativa, de segurança ou prevenção de malefícios. É pura manipulação da informação para fins de propaganda. Revela, ao mesmo tempo, uma intimidade promíscua entre o agente público e os potentados da mídia grande. Trata-se de um detalhe que parece pequeno, mas que, por si só, confere ao conjunto da operação as feições de uma urdidura tenebrosa.

Uma marca que se confirma com os absurdos cometidos na seqüência. Vejamos, para exemplo, o acontecido no Rio de Janeiro. Apesar do deliberado em assembléia, não houve greve alguma. Houve apenas um buliçoso ato público em pleno coração da cidade, na Cinelândia. Nenhum ônibus queimado, nenhum vandalismo, nenhum confronto ou empurra-empurra. Nada. Apenas um protesto ordeiro e até bem humorado. Uma pauta elementar de reivindicações econômicas. Salários aviltantes, comidos pela carestia crescente. Além de deixar claro, pela volumosa presença, a insatisfação que grassa na base das categorias presentes no protesto.

Apesar da calmaria, os do governo resolveram optar pela continuidade do arreganho repressivo. O líder dos bombeiros do Rio foi preso no aeroporto quando voltava de Salvador, onde participava das negociações. Sem qualquer formalismo legal, não pode sequer falar com a esposa e os filhos que o esperavam. Ele e outros líderes foram levados para o presídio de segurança máxima, em Bangu. Um presídio reservado para condenados, nunca até então usado para prisões preventivas, e para criminosos de alta periculosidade. A agressividade cruel dos governos Dilma e Cabral inaugurou lá uma ala de prisioneiros políticos.

Barbas de molho, cidadãos. O contubérnio de forças articulados no episódio presente pode ser o ensaio geral do que está por vir. Autorizações judiciais secretas, governos submissos aos ditames da máquina mercante, informação manipulada nos canais da mídia oligopolizada.  O “estado de exceção”, já anunciado como recurso indispensável para o sucesso dos megaeventos esportivos, sempre esteve entre os desígnios permanentes da máquina mercante. A repressão preventiva não combina com democracia, tampouco com estado de direito.  Ecos da doutrina Bush, ela é a ante-sala do arbítrio total, o ovo da serpente.

Léo Lince é sociólogo.
ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO EM SEXTA, 17 DE FEVEREIRO DE 2012


Follow by Email